Carta do Papa João Paulo II aos Artistas

O artista e o bem comum

4. De fato, a sociedade tem necessidade de artistas, da mesma forma que precisa de cientistas, técnicos, trabalhadores, especialistas, testemunhas da fé, professores, pais e mães, que garantam o crescimento da pessoa e o progresso da comunidade, através daquela forma sublime de arte que é a “arte de educar”. No vasto panorama cultural de cada nação, os artistas têm o seu lugar específico. Precisamente enquanto obedecem ao seu génio artístico na realização de obras verdadeiramente válidas e belas, não só enriquecem o património cultural da nação e da humanidade inteira, mas prestam também um serviço social qualificado ao bem comum.

A vocação diferente de cada artista, ao mesmo tempo que determina o âmbito do seu serviço, indica também as tarefas que deve assumir, o trabalho duro a que tem de sujeitar-se, a responsabilidade que deve enfrentar. Um artista, consciente de tudo isto, sabe também que deve atuar sem deixar-se dominar pela busca duma glória efémera ou pela ânsia de uma popularidade fácil, e menos ainda pelo cálculo do possível ganho pessoal. Há, portanto, uma ética ou melhor uma “espiritualidade” do serviço artístico, que a seu modo contribui para a vida e o renascimento do povo. A isto mesmo parece querer aludir Cyprian Norwid, quando afirma: “A beleza é para dar entusiasmo ao trabalho, o trabalho para ressurgir”.

Esse é um trecho da carta do Papa João Paulo II aos artistas.
Nossos carismas que Deus nos concedeu e nos concede, é para por diante da Igreja, para servir a Deus, para resgatar pessoas, para louvar e glorificar a Deus.


O artista, que atua sua vocação para o teatro, música, pregação, em fim… não deve procurar ser exaltado por pessoas, tem que fazer isso para Deus, sem buscar sua popularidade ou riqueza.
Coloque seus dons para ajudar as pessoas, para ensiná-las, para mostrar a elas o Amor de Deus por nós.
Bem, é legal alguem nos elogiar; mas não se exalte diante de pessoas por isso, procure sempre melhorar. E é claro sempre tem os críticos, temos que aprender a absorver as críticas, porque muitas vezes é diante delas que crescemos. A crítica “construtiva” pode ser para nos ensinar, para melhorar nossa performance, mostrar algum erro que cometemos. Não podemos ter medo de errar e procurar a cada dia crescer, e ser um artista renovado.

Jovens Apóstolos.

Anúncios
Categorias: Carismas, Papa João Paulo II | Tags: | 3 Comentários

Navegação de Posts

3 opiniões sobre “Carta do Papa João Paulo II aos Artistas

  1. Ademilsom

    Parabens meninos por essa iniciativa
    enquantos mts usam
    a internet para coisas mundanas
    vcs neste jesto de amor
    espalham o verdadeiro AMOR
    q é o de nosso senhorJESUS CRISTO
    abçss

  2. Pingback: A Paixão de Cristo 2011 « Jovens Apostolos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: