O Testemunho de Uma Mãe Que Ama!

O Testemunho de Mônica, Mãe da Pequena Giovanna (Anencéfala)!

"Sempre sonhei com a maternidade. Acho realmente que foi para isso que eu nasci. Tinha a pretensão de que para ter filhos, nós escolhíamos o melhor momento. E este momento, foi o ano de 2004. Nos preparamos desde o início do ano para uma possível gestação. Fiz exames, reduzi o número de atividades, etc. Giovanna foi um bebê feito com muito amor, nós a desejávamos muito. O exame que deu positivo foi festejado por todos ao nosso redor. Nas primeiras semanas, senti uma forte cólica que segundo a médica, poderia ser um princípio de aborto ou apenas uma cólica de implantação do embrião. Naqueles quinze dias de licença, com medo de perder meu bebê, lembrei que a mãe do Pe. André, um grande amigo nosso, o consagrou a Deus ainda quando estava em seu ventre. Achei aquilo lindo! Resolvi também consagrar meu bebê a Deus e pedi que Ele fizesse dela sua serva. Que ela pudesse apontar Deus para seus irmãos. Acreditei assim, que isto se daria a partir de alguns anos. No dia 10 de outubro na hora de deitar, falei ao meu marido que estava um pouco preocupada com a ultra que faria no dia seguinte, pois era nesta que se diagnosticava a anencefalia. Uma grande amiga minha tinha tido este diagnóstico a uns 3 anos atrás.
Quando entramos para o exame, estava bem mais relaxada e preocupada em saber o sexo do bebê. Começamos a perceber o médico muito preocupado e calado. Quando perguntou se o meu médico estava no consultório naquele momento, gelei. O médico muito delicadamente avisou que a anencefalia era incompatível com a vida. Chorei e de mãos dadas com o Marcelo falamos seguramente que a nossa responsabilidade de pai e mãe em qualquer circunstância já tinha sido assumida quando a fizemos. Ela já estava ali, já se protegia em mim e nós já amávamos. Quando chegamos, procuramos na Internet algo que nos orientasse, mas como estava próximo da votação da suspensão da liminar que liberava o aborto nestes casos só conseguimos ler opiniões contra e a favor do aborto. O conforto veio de lindas cartas escritas por pais de bebês que possuíam anencefalia. Lendo-as, acabamos nos sentindo escolhidos e privilegiados. Aliás, era um confronto enorme, a tristeza que ficou da gestação de anencefalia da minha amiga, e o amor extremo expresso por estas famílias que viveram com seus filhos o tempo que Deus quis. Percebemos também que depois da consagração que lhe fiz, Deus tinha dado à ela uma grande missão. Mostrar que tinha vida e que era uma cidadã. Resolvemos que iríamos curtí-la intensamente cada momento. Gravamos todas as ultras, conversávamos com ela, e ela por sua vez, respondia com carinhosos chutinhos.Tínhamos o grande desafio de preparar a nossa família e os amigos para esta realidade. Como falar com uma mãe que vai perder seu filho? Pergunta-se como ela está? Como o bebê está? Foi através da carta da Ana Lúcia para o seu filho Vitor (anencéfalo) que preparamos as pessoas mais próximas. Com o amor por ela que passávamos para os outros, fizemos com que todos ao nosso redor, também a amassem.Foram meses de muita alegria. A única coisa que me fazia sofrer eram as pessoas que não viam vida em mim. Nitidamente, me viam como uma coitadinha que estava “brincando de ser mãe”. Não tocavam no assunto da gravidez. Eram capazes de me vir com aquele barrigão e fingir que não viam.Giovanna mudou muita coisa ao nosso redor. A começar pelo ultrasonografista, que enquanto nas primeiras ultras se referia a ela no passado (era uma menina), nas últimas já comentava que ela tinha “pernocas”, mostrava sua boquinha, etc. Nos dias que antecederam o parto, fiquei um tanto apreensiva. Seu nascimento que estava programado para entre 2 e 9 de abril, foi antecipado para 25 de março. Além de ser menos dias para eu curtí-la, (sabia que enquanto estivesse comigo,ela estaria bem)também seria em plena Sexta-Feira Santa .Pensava que era uma opção nossa e que como não se poderia evitar, o seu enterro poderia “atrapalhar” o feriado das pessoas.Tive uma gestação muito tranqüila como qualquer mulher.No final ,foi percebido um problema na minha placenta que não deixava passar nutrientes para ela como deveria. Como eu já havia preparado meu médico para ficarmos o máximo de tempo possível após o parto curtindo a Giovanna,ele antecipou para o dia da Paixão de Cristo. Quando me deparei com a paixão que nós três estávamos passando e pensei na de Cristo, percebi que a perfeição já começava no dia lindo que Deus escolheu para lhe recebermos e Ele recebê-la. Ofereci o nosso sofrimento pela conversão dos pecadores e Deus cuidou do resto. O dia começou com uma chuva fina, como uma forma Dele dizer: Estou presente!Aliás, nunca tivemos um momento tão íntimo com Deus como naquele dia e nos outros que se seguiram. Na maternidade, uma festa. Vinte e seis pessoas entre familiares e amigos aguardavam nos corredores e no quarto para terem a chance de viver o sublime momento da presença dela no meio de nós. Só alegria. Pe. André, padrinho escolhido antes do diagnóstico, me ministrou a Unção do Enfermos, confessou-nos e deu-nos a Eucaristia. Agora estávamos prontos. Na sala de parto, a nossa alegria e expectativa eram contagiantes. Quem via os nossos semblantes, não imaginava o que estava para acontecer. Foi muito tranqüilo e podemos sentir imensamente a presença de Deus ali. Giovanna nasceu às 14:17h. Fiquei preocupada pois não ouvia seu choro. Sabia que corria o risco dela não reagir, não respirar e falecer no momento que cortasse o cordão umbilical. Fiquei apreensiva esperando alguém me dar notícias dela. Foi quando ouvi seu chorinho confirmado pelo Pe. André que foi batizá-la. O Papai tirou muitas fotos dela quando o Doutor Alberto, seu pediatra, veio trazê-la para meus braços. Ela era linda! Tinha a boca do Papai e o meu nariz. Seu chorinho era como se me pedisse proteção e foi o que fizemos. Dei carinho, beijo, chorei, pedi desculpas pela vida curta que lhe daria e curtimos muito. Levaram ela e fiquei com uma sensação maravilhosa pois tudo que pedimos já tínhamos conseguido: Que ela fosse batizada e que tivéssemos um tempinho para curti-la. Fui para o quarto e umas 18:00 h fui vê-la. Cheguei lá, os batimentos cardíacos dela estavam baixos e o aparelho emitia um alarme. Ao vê-la fiquei muito emocionada, pois ela estava peladinha e pude observá-la melhor e ver seus pezinhos, seus bracinhos, fofa demais! Comecei a fazer carinho em sua perninha e dizer o quanto ela era amada e o quanto estávamos orgulhosos da sua força. Sem que eu soubesse do seu estado, seus batimentos começaram a subir de 94 para 129 e estabilizaram (o normal é entre 120 e 170) para a surpresa inclusive da enfermeira que estava conosco. Foi a prova física do que eu já sabia. Que ela me reconheceu como aquela que a protegeu durante os nove meses e deu até um “sorrisinho” de tão relaxada que ficou. Foram momentos inesquecíveis. Ver quanto éramos importantes para ela, era tudo o que precisávamos e ao mesmo tempo, nem sei se merecíamos tamanha alegria. Foi colo de Deus mesmo. Umas 20:30 h pedi ao Marcelo para ver como ela estava. Ele voltou muito emocionado e disse que ela não estava muito bem, que respirava com dificuldades, que já devia ser a hora dela e que não achava bom eu ir lá. Choramos juntos e também rezamos juntos para que Nossa Senhora a recebesse quando chegasse lá e que ela não sofresse. A médica avisou à Miriam (madrinha da Giovanna) que era bom eu ir. Foi o que eu estava precisando. Quando cheguei lá, Giovanna não respirava mais, mais seu semblante era realmente de que não sofreu e de quem tinha partido nos braços da Mãe do Céu. Peguei ela no colo e percebi naquele momento ela estava nos vendo e que sabia do amor que tínhamos por ela. Dei beijos e fiquei um tempo contemplando seu rostinho lindo.Seu enterro foi tratado às 9:00 h do dia 26 para às 11:00h do mesmo dia. A chuva fina permanecia e por ser um Sábado de Aleluia, imaginamos que as pessoas não teriam tempo de saber e de estarem lá. O carinho de todos foi tão grande que umas 90 pessoas entre amigos e familiares foram nos dar apoio. Marcelo carregou seu caixãozinho com o orgulho de quem deu a vida e dignidade quando esta já não era possível. Sabia que para esta filha, com certeza, teríamos dado o Céu. E que a vida que ela hoje vive não tem mais fim. Giovanna foi uma guerreira que mostrou aos mais incrédulos que era pequena no tamanho, mas grande na necessidade de mostrar o quanto sua vida era importante. "

Giovanna bebê anencéfalaMônica Torres Lopes Sanches

ESSA SIM É HUMANA, ESSA SIM É UMA MÃE EXEMPLAR, ESSA SIM TEM ♥ …

Para quem acha que o bebê anencéfalo não tem vida, que é melhor matá-lo antes que isso aconteca naturalmente, esse testemunho é a prova de que todos tem o direito de viver, nem que seja por 1 minuto, e ser digno de um enterro como qualquer ser humano!

Uma mãe não mata, mas sim protege e ama. A partir do momento em que uma vida é tirada das mãos de um homem ela já não é mais natural.
Se você acha que é sofrimento carregar um bebê no ventre que não sabe o quanto tempo de vida tem, te digo, nós não sabemos a nossa hora, logo todas as pessoas vão chegar diante desse momento. Que seja de uma maneira digna e o momento em que aqui ficou foi acolhida com amor, não com destruição.

 Uma pessoa sem vida é capaz de chorar? Como vimos nesse testemunho, essa criança amada por essa mãe e família chorou. Quem chora é quem VIVE!

Digo SIM a VIDA!

Jovens Apóstolos

Categorias: Exemplo Para a Vida, , Santidade | Tags: , , , | 1 Comentário

Navegação de Posts

Uma opinião sobre “O Testemunho de Uma Mãe Que Ama!

  1. Evelise

    Testemunho lindo! quem gostou do post acima, vai curtir muito este blog aqui: amadavitoriadecristo.blogspot.com.br/2012/04/site-g1-publica-materia-tendenciosa.html

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: